O inexistência do darwinismo entre os técnicos no Brasil

Em todos os meios de nossa vida, ainda mais acentuado na sociedade de hoje, temos algo chamado "Darwinismo". O que é exatamente isso? Darwinismo remete à teoria evolutiva do naturalista inglês Charles Darwin, onde a grosso-modo dizia que as espécies mais bem adaptadas sobreviveriam no meio. Futebol brasileiro não tem isso.

Talvez eu tenha sensacionalizado no final do primeiro parágrafo, mas não há, de fato; pelo menos não com os técnicos no Bananistão.

E chega a ser impressionante o quanto os clubes não contribuem para melhorar a situação. O esquema é o seguinte: Técnico entra em um time e assina contrato com multa de quebra - vai mal - time põe pra fora - outro time contrata o cara; nunca vai ter falta de demanda para técnico, é como o mercado financeiro: não vale eu mudar se vão continuar comprando.

O resultado dessa maracutaia toda? Técnicos ultrapassados em demasia que não se reinventam e atrasam o desenvolvimento do futebol. Não apenas técnicos ultrapassados, mas ruins também, e esses ruins são os piores nesse caso, porque eles nunca fizeram nada de bom para serem lembrados, mas vão continuar suas eternas permutas pelos times do futebol brasileiro pelo fato dos clubes se humilharem por um "professor" do mesmo jeito que um fracassado se humilha por mulher.

Acho que os clubes deveriam também dar mais espaço para os iniciantes desenvolverem um trabalho decente, já que aqui se um técnico não consegue impor sua filosofia de jogo em quatro partidas já é chutado.

Escolher qualquer treinador com um pouco mais de nome, seja pela "grife" que o mesmo construiu, ou por ser um medalhão, ou qualquer outro motivo e não obriga eles a se aprimorarem só gera um regresso técnico e tático no futebol brasileiro


É isto
Togspae, João Paulo Pordeus

Postar um comentário